sexta-feira, agosto 11, 2006

Rezas e Benzeduras

"...em bebé, segundo diz toda a gente, embora eu não ache, eu era muito bonita. Lembro-me da minha avó dizer que não podiam sair comigo à rua porque toda a gente vinha ver a bela criançinha. O resultado era que a criançinha cada vez que saía, chegava a casa doente. Isto, repetidamente. Segundo me dizia a minha avó, enquanto bébe, passei a vida a ser benzida. Segundo consta, não havia médico que me curasse...

Estranho, mas parece que foi verdadeiro. Não que me lembre, mas porque costumava brincar acerca desta história com a minha avó e ela não gostava nada!..."

Obrigado por partilhares este momento de tua vida, Alexandra, amiga "virtual" do Kind of Magic II.
Pode ser que num futuro breve, sejamos todos amigos no mundo real.
Seria bonito e interessante.

Para situações como estas que a nossa querida Alexandra passou, aconselho a ler um livro que encontrei à venda numa localidade do Alentejo, Mora.
Terra de onde descende o meu lado materno.

O livro que refiro é "Rezas e Benzeduras" de Aníbal Falcato Alves.
Um livro onde este Alentejano interessantissimo fez uma colecta de testemunhos orais recolhidos junto de pessoas que, por vezes, não sabem ler nem escrever (à boa maneira Celta).

Deixo-vos um trecho do mesmo.

"... BENZEDURAS DO COBRANTO E MAU OLHADO

Ó fulana... (nome da pessoa)
sol, lua cobranto
mal de inveja, mau olhado
em nome do Pai e do filho
e do Espírito Santo.

Deus é Verbo
Verbo é Deus
em nome de Deus
benza-te Deus
em louvor da Virgem Maria
Pai-Nosso, Ave-Maria..."

Fiquem bem, fiquem com Deus.
E não se esquecam, deixem a vossa "transparência".

6 Comments:

Blogger Alexandra said...

Olha a minha criançinha aqui...!! Obrigado pela tua gentileza Roderick! Poderei contar-te mais histórias, mas deixa que outro seja o próximo porque se não tenho cuidado, fico apelidada de bruxa :)) aliás... já o sou :)))

Esse livro que encontraste vou tentar apanhá-lo. Interessa-me, porque vi muitas vezes fazerem o que me fizeram a mim, à minha irmã.

Quanto à questão que me colocas ...deverão existir estudos sobre a matéria. No entanto, não é muito comum. Pode-se encontrar alguma coisa se perdermos muito tempo em temas de esoterismo, o que é uma pena, pois muitos livros nada têm com essa palavra. Mas, existem duas situações a considerar. A primeira: só agora a psicologia se tem debruçado um pouco mais sobre estas experiências, embora só um certo ramo - Psicologia Transpessoal. Tenho um livro que te posso indicar, mas só quando chegar a casa, pois não tenho presente, nem tão poucoa editora.
Depois temos sempre a parapsicologia, que no nosso país, segundo conheço temos alguma coisa, mas não me posso manifestar visto não ter contacto com a àrea. Até me interessa bastante, porque dá explicações bastante interessantes para alguns fenómenos e que não são nada de transcendente.

No entanto, dá mais um tempo. Estarei também atenta e este blog até pode ser uma experiência interessante para quem gosta de buscar explicações.

Espero que estejas menos apreensivo, pois não há razão para alarmismo e tudo correrá bem! Dá um beijinho à Ana, porque não posso ir a todos os sitios que gostava, visto aqui estar limitada por horários e velocidades da net.

Beijo de Amizade, tudo a correr bem!!!

PS:"Pode ser que num futuro breve, sejamos todos amigos no mundo real.
Seria bonito e interessante." 100% de acordo. Adoraria!

2:52 da manhã  
Blogger Claudinha said...

Eu quando bebê, era uma criança saudável. Não me lembro de ter sido benzida, mas certamente fui. Toda criança era. Lembro de meus apuros, de coisas tremendas que passei. Mas há a crença do olho gordo sobre crianças lindas e perfeitas. Inveja até mata, isso eu concordo. Só que acredito que ficamos suscetíveis a tudo o que não barramos com nossa mente... Beijos!

6:31 da tarde  
Blogger EuMulher said...

Engraçado o tema. Lembro me em criança a minha mãe tirar-me varias vezes o "quebranto" com agua e azeite. Hoje depois de algum percurso ja feito vejo as coisas de maneira diferente e entendo o que na altura se passava. Mas isso daria aqui para escrever durante horas. Não conheço o livro que mencionas mas vou estar atenta.Vou passando por aqui. Beijinhos

1:00 da manhã  
Blogger _Maga said...

Na minha região era muito comum levar as crianças para se benzerem... eu sempre fui saudavel, mas não lembro porque minha mãe me levou algumas vezes a benzedeira... acho que eu era um pouco quieta demais... ahahaha

beijos pra ti

4:31 da manhã  
Blogger Abssinto said...

Quando era chavalo eu sonhava insistentemente com uma bruxa. Daquelas clássicas, velha, vestida de preto, embora sem cara bem definida. Tinha medo de subir ao sótão do prédio porque de certeza que era por detrás daquela porta pequenina que ela congeminava os meus pesadelos de criança. Foram os únicos pesadelos que tive até hoje. Ainda me lembro bem do torpor em que o meu corpo entrava quando pressentia que ia começar a ter o pesadelo. A sério, eu sentia o pesadelo a chegar. Muitas vezes conseguia escorraçá-lo, outras, ficava imobilizado e pensava "Pronto...".

Abraço

11:51 da manhã  
Blogger José said...

OLÁ.
SOU UM AMANTE INCONDICIONAL NA NATUREZA.
OS MOMENTOS + FELIZES, PRÁ MIM, É QDO ESTOU SÓ, SENTADO SOB ALGUMA ÁRVORE, EMBRENHADO EM MATA BEM LONGÍNQUA.
TENHO INÚMERAS HISTÓRIAS E RELATOS, Q ACHO PODERIAM INTERESSAR.
SE QUIZER, ENTRE EM CONTATO.

12:51 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home

Tangerine Dream - Love on a Real Train